Facebook

Me liga!

on jun 24, 2013 in Sem categoria | 0 comments

Lembro de você falando besteiras em meus ouvidos e criando um mundo imaginário, junto comigo. Eu me mudaria para a cidade-grande, cansei do interior. Tu falavas que moraríamos na cidade-grande, porém os finais de semana seriam no interior para criarmos nossos filhos. Aliás, tenho certeza que tu darias uma ótima mãe e poderia pagar para ver você correndo para lá e para cá, enquanto eu faria alguma coisa básica de homem. Deve ser meio problemático ficar imaginando esse tipo de coisa né? Mas como não? É óbvio que o meu mundo parou quando eu te conheci. Tu vinhas caminhando na contramão e como já é rotina na tua série de armas para acabar com os corações de meninos indefesos, um belo sorriso no rosto. O teu sorriso. Não foi mais do que o necessário, aquelas curtas palavras proferidas pela tua boca, que em questão de segundos já fizeram meu corpo todo estremecer e me causar sensações que eu...

Tua voz: A trilha sonora na minha cabeça

on jun 24, 2013 in Sem categoria | 0 comments

-Essa é a música dela – Eu digo para o meu amigo quando estamos dentro do carro. Ele pergunta o porquê, mas eu prefiro não explicar, já perde tempo demais tentando me escutar e dizendo que me entende e que eu não estou completamente louco. Como criticar? Tem sido um grande problema essas nossas reuniões de -machos alfas prontos para falar sobre todas as qualidades e defeitos de todas as meninas que conhecemos- , o que antes durava horas, hoje eu não tenho certeza de como está sendo, e fico mais perdido e fantasiando coisas que há envolvam. Eu sei, eu sei, eu sei que é o momento que eu deveria estar por aí espalhando todo o meu amor e carisma e eu sei que isto seria a coisa certa a se fazer, mas tu não tens como me culpar por ficar pensando se está tudo bem com ela, quando, o noticiário que eu nunca assisto fala sobre problemas em sua cidade e eu mando mensagens na primeira hora da...

Menina do Ônibus

on jun 24, 2013 in Sem categoria | 0 comments

Boa tarde menina do ônibus, estou escrevendo para lhe informar que não quero te conhecer. Isso, mas não precisa ficar preocupada, eu explico com todos os detalhes. Não, não foi o fato de tu falar demais que me fizeram tomar essa decisão. Não, também não foi o teu sorriso metálico, aliás, ele é bem fofinho. E sim, eu realmente não tenho celular, e talvez esse fato tenha me ajudado e muito nessa decisão. Vamos por partes, primeiramente, eu preciso que tu me escreva constantemente uma vez por semana, mesmo eu não querendo te conhecer. Me escreve sobre o que tu fez durante a semana, o que tu deixou de fazer, o que pensou em fazer, qualquer coisa, mas me escreve. Anexa uma foto também, de óculos. Por que escrever se eu não quero te conhecer? Calma, vem em seguida. Vejamos Menina do Ônibus, eu sou um cara que lida muito bem com a razão, para que vamos nos conhecer, gastar tempo, dinheiro, e...

Ao Norte da Linha do Equador

on jun 24, 2013 in Sem categoria | 0 comments

Eu poderia gritar aos quatro cantos e sem chances de arrepender-me que aquela foi “A” viagem. Não pelo fato de ter sido a viagem mais longa, tão pouco por estar na terra do tio sam. Fiz tudo o que se espera que se façam nessas viagens que acontece apenas uma vez em nossas vidas. Conheci gente de todos lugares, fui xingado por um estrangeiro, bebi até vomitar, e fumei até me aliviar (pela primeira vez, diga-se de passagem). A gente só se dá conta desses fatos algum tempo depois… anos talvez. Mas eu sempre soube que eram altas as chances de eu encontrar alguma menina que fosse mudar os meus pensamentos em tais situações. É claro, hoje, quando uma guria vem e pergunta se eu sou o “fulano de tal” que ela ouviu falar, são altas as probabilidades de nós acabarmos em um motel barato, onde o conceito de eternidade está no caminho entre o nosso orgasmo, o meu cigarro e o tempo que eu vou levar...

Meninas Marcadas

on jun 24, 2013 in Sem categoria | 0 comments

Havia essa garota. Essa “A” garota, melhor dizendo. Adjetivos vagos não combinam com ela. Conheci ela já tem vários anos, uns 5 ou 6 talvez, não lembro. And I can´t remember life before her “met”, já dizia o John Mayer. Não lembro bem qual foi a primeira vez que trocamos meia duzia de palavras, talvez na escola de inglês ou por alguma rede social da época, mas gostava de considera-la meio “intangível”, “inalcançável” ou simplesmente boa demais, fazia parte do desafio. Eu não era a melhor pessoa naqueles anos, talvez não seja até hoje em dia, mas sei que aquelas poucas horas, em que eu podia ficar alto com a presença dela, já eram suficientes. Nunca imaginei que chegaria mais perto dela do que aquilo. Ou pior, nunca imaginei que estaria escrevendo um texto assim E pensando nela. Acho que ficamos alguns anos sem conversar. Eu namorei, ela namorou e até nos encontramos com os respectivos...