Facebook

Sem flores ou chocolates

on jun 12, 2012 in Sem categoria | 0 comments

Share On GoogleShare On FacebookShare On Twitter

Quando me falaram pela primeira vez que eu nunca conheceria outra menina igual a ti, fui meio cético. Aliás, tu sabes que na maioria das vezes todo mundo gosta de reiterar e dizer por aí que ninguém é igual a ninguém, que cada pessoa é uma pessoa e que o Pelé sempre será o melhor do mundo. Eu, como sempre, fico com um pé atrás.

Primeiro por que nesses meus 20 e tantos anos de vida, sempre acabaram por me mostrar que no final das contas, todas as pessoas são iguais. Talvez mais gordas ou mais magras. Umas com um gosto melhor, outras com um gosto meio duvidoso, mas no final das contas, acabam sempre no velho script e comportamentos repetitivos da vida.

Segundo, tu sabes que o Pelé jogou contra vários times amadores, né?

Na segunda vez que comentaram está mesma frase acima, eu já estava pensando diferente. O mesmo pensamento que retorna a minha cabeça toda noite antes de dormir, quando aqui estou esparramado encima da cama e enrolado em meio as minhas cobertas lembrando todos aqueles momentos que não definiram coisa alguma na nossa vida, leu bem? Nossa vida. Mas que estão aqui, perdidos entre os todas as coisas, odores, sorrisos e cerveja que tu deixaste por aqui.

-Quero te ver amanhã.

É o que eu tenho sussurrado todos os dias antes de dormir e também –quase- te avisado. E é sempre assim.

Comigo eu guardo todos os textos, fragmentos, momentos tolos de nós dois que só eu me lembro. É o olhar, o jeito, o cheiro, o gosto e o sorriso. O modo de vestir, de mexer o cabelo e de como corta o Ribs On The Barbie. Não tenho outro motivo para ficar se não for nestes termos e jeitos pré-determinados que, sim, fazem falta.

E mais, eu simplesmente adoro esse teu jeito menina-mulher decidida de ser, independente de tudo e de todos menos do meu bem-querer por tí.

Sou a mulher do século XXI, não preciso de homens! Eu vou atrás, eu consigo. Homens, para quê? 

Mas gosto mais ainda desse teu jeito mimada de ser, pedindo e verdadeiramente suplicando um colo, um mimo, um carinho ou qualquer coisa que possa ser apenas por alguns instantes até tu resolver se ocupar com alguma leitura que não valeu o filme ou alguma besteira qualquer. Sinto-me bem e finalmente vejo que estou cumprindo o meu papel de -te fazer sempre sorrir sempre que possível sempre que necessário- confortando o nosso futuro.

Outro dia tu ficaste me perguntando e questionando coisas, falando e falando, mas eu não sabia muito bem o que responder.

Mas nessa mesma hora, a única resposta cabível que surgiu a minha cabeça foi: Você é absurdamente linda. Não que eu quisesse realmente falar que tu eras linda, afinal de contas, tu sabes bem disso. Apenas linda de uma forma diferente, falar do sorriso, dos teus olhos, da forma como o teu cabelo estava simetricamente posicionado para fazer meu coração acelerar dentro de alguns poucos segundos.

Sem flores, sem presentes, sem viagens da Europa, sem chocolates. E também sem dizer porra nenhuma, apesar de tentar bastante.

Feliz dia dos namorados, do seu não-namorado.

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>